A Fina Estampa de Caetano Veloso

Compartilhe. . .

Com “Fina Estampa”, em 1994, Caetano Veloso nos ensinou como não ter preconceito contra a música em espanhol.

Muitos de minha geração não suportam canções vindas de países latinos. Acredito que tal fato se deve a uma grave reação alérgica e adversa, bem como sintomas colaterais da dose maciça de “Menudos e Julios Iglesias” (eca!), que recebemos via mídia televisiva anos atrás. Quando vi Caetano cantando em espanhol pela primeira vez, pensei: “ih! Fu...”. Ledo engano.

Para minha felicidade, o show, cd e dvd Fina Estampa é uma preciosidade. Ele nos ensina que existiu e existe vida inteligente e música de qualidade nos países de língua espanhola. O título é por demais apropriado. Fina Estampa poderia ser traduzido por “muito bom gosto”, “grande qualidade” ou “nobre”. Independente de qual seja a melhor ou mais apropriada tradução, deve ser ouvido por quem ainda não conhece, tem bom gosto para música e alergia às cantadas em espanhol.

Para exemplificar a qualidade, sintomática e provocativamente, o vídeo que escolhi apresenta uma canção do compositor e cantor argentino Fito Paez. Ela se chama “Un vestido y un amor” e, se seus ouvidos a deglutirem bem, recomendo que ouça também Capullito de Aleli (do porto-riquenho Rafael Hernández Marín) e Fina Estampa (da compositora peruana Chabuca Granda).

Todas as músicas são cantadas por Caetano em um espanhol impecável e têm acompanhamento de uma orquestra sinfônica.

Compartilhe. . .

0 Palpites Grátis: